Home AGRICULTURA Café Redução dos juros do Funcafé vai ajudar na retomada do setor

Redução dos juros do Funcafé vai ajudar na retomada do setor

Redução dos juros do Funcafé vai ajudar na retomada do setor
9
0

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) avaliou que a redução das taxas de remuneração do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) vai ajudar a cafeicultura na retomada do crescimento econômico pós-pandemia.

A decisão está na Resolução 4.849, publicada após a aprovação do voto pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), em sua reunião mensal ordinária realizada na quinta (27), e vale para as para as linhas de custeio, estocagem, aquisição de café e capital de giro.

“Foi uma demanda amplamente discutida. Houve um consenso do setor cafeeiro de que todo esforço para reduzir os juros será importante para a cafeicultura na retomada da economia no pós-pandemia”, destacou o presidente da Comissão Nacional do Café da CNA, Breno Mesquita.

A taxa de remuneração do Funcafé é um dos componentes dos juros das linhas de financiamento do fundo, juntamente com o spread bancário. Para custeio e estocagem, os juros serão de, no máximo, 5,25% ao ano. A redução foi possível porque a taxa de remuneração do Fundo caiu de 3% para 2,25%.

Com a taxa de remuneração fixa de 2,25% para o fundo, o spread bancário, calculado pela diferença entre os juros e essa taxa de remuneração do Funcafé, será, no máximo, de 3%. Desta forma, as linhas para custeio e estocagem serão fixadas em 5,25% ao ano.

Breno Mesquita, presidente da Comissão Nacional do Café da CNA

A medida era uma das principais demandas da CNA para o cafeicultor, acompanhando os movimentos de queda da taxa de juros para o crédito rural. Antes de ser aprovada pelo CMN, a decisão teve o aval do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC), composto por representantes de toda a cadeia produtiva.

Esta é a segunda queda na taxa de remuneração do Funcafé em 2020. Em junho, logo após o Plano Safra, houve redução de um ponto percentual desta taxa, passando de 4% para 3% ao ano. Com a nova redução de 0,75 pontos percentuais, anunciada pelo CMN na reunião de agosto, foi possível reduzir em 1,75% a remuneração do fundo, diferença que chega efetivamente ao produtor rural e reflete em uma queda de, no mínimo, 25% em comparação com as taxas praticadas no ano passado.

Além de um teto para o spread cobrado pelos bancos, já realizado em anos anteriores, a CNA avalia que as taxas podem ser ainda menores de acordo com a classificação de risco do cliente, pois o agente financeiro pode abrir mão de parte do spread como mecanismo de redução dos juros ao cliente final.

FONTE: CNA – Confederação Nacional da Agricultura

9

LEAVE YOUR COMMENT

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *